Enciclopédia do Válvuleiro

Construção de Válvulas Borboleta

Quarta Feira - 11 de Dezembro de 2019

construcao válvula borboleta

Hoje o nosso post vai abordar a construção de válvulas borboleta, o que as normas determinam, as diferenças nos projetos de fabricante para fabricante, característica de diferentes construções e as suas aplicações, enfim, vamos aprender um pouco mais sobre esse mundo tão vasto e abrangente que são as válvulas industriais, nesse caso, as válvulas borboleta.

Para começar, existem várias normas de construção de válvulas borboleta, algumas com alguns pontos em comum e outras não, seguem abaixo algumas normas muito utilizadas mundialmente:
API 609Válvulas borboleta: tipo wafer, lug e duplamente flangeada.


BS EN 593Válvulas industriais. Válvulas borboleta metálicas.
MSS SP 67Válvulas borboleta
MSS SP 68Válvulas borboleta para alta pressão com projeto.
ABNT NBR 15768Válvula borboleta de ferro nodular para saneamento.
ABNT NBR 15827 - Válvulas industriais para instalações de exploração, produção, refino e transporte de produtos de petróleo - Requisitos de projeto e ensaio de protótipo
ISO 10631Válvulas borboleta para propósitos gerais
BS EN 593Válvulas industriais. Válvulas borboleta metálicas para propósitos gerais.
AWWA C504Válvulas borboleta com vedação de borracha.
Como podemos observar, há uma grande quantidade de normas, editadas por várias entidades, e isso gera uma variedade enorme de modelos e características especificas.
Algumas das principais características construtivas das válvulas borboleta são:
• Peso menor do que a maioria dos outros tipos de válvulas;
• Custo menor em função de pesar menos;
• Praticidade para instalação;
• Abertura e fechamento rápidos com apenas um quarto de volta;
• Trabalho tanto ON OFF como em controle de fluxo • Manutenção rápida e com baixo custo;
• Grande variedade de tamanhos, de NPS 2” até NPS 60”;
• Vedação resiliente ou metal x metal.
• Não são “pigáveis”, ou seja, não permite a passagem do “pig”, que é um dispositivo para limpeza da tubulação, pois o disco sempre está na passagem do tubo.
A válvula borboleta pesa em média, 10% do peso de uma válvula globo, 11% do peso de uma válvula gaveta e 13% do peso de uma válvula esfera; o face-a-face da válvula borboleta corresponde em média a 18% do face-a-face da válvula globo, 16% do face-a-face da válvula gaveta e 22% do face-a-face da válvula esfera, ou seja, a válvula borboleta pesa menos, ocupa menos espaço na tubulação e consequentemente custa menos.
Conforme a ABNT NBR 15827, válvulas borboleta devem ser acionadas por caixa de redução conforme segue abaixo
Válvula borboleta concêntrica, PMT e classe 150, NPS 10” e maiores; • Válvula borboleta bi excêntrica, classe 150 e 300, NPS 8” e maiores, classe 600, NPS 6” e maiores; • Válvula borboleta tri excêntrica, classe 150 a 600, todos os diâmetros.

Em via de regra, seguindo essas recomendações, não haverá problemas com relação ao acionamento das válvulas.
A válvula borboleta é muito apropriada para trabalhar com fluidos muito viscosos ou que ao se acumularem nas cavidades das válvulas possam criar crostas e com o tempo impedir a válvula de funcionar corretamente, tais como a válvula esfera, gaveta ou globo, por não possuir cavidade interna a válvula borboleta não está sujeita a esse efeito dos fluidos.

Quando utilizada para controle de fluxo, se a válvula borboleta não for dimensionada corretamente, pode ocorrer os fenômenos de flashing ou cavitação caso as condições de serviço sejam propicias para isso, por esse motivo é extremamente importante que para processos mais específicos a seleção da válvula seja realizada por um técnico próprio para esse trabalho.

Somente a válvula esfera possui um coeficiente de fluxo maior do que a válvula borboleta, isso ocorre por que quando a válvula esfera está totalmente aberta, o seu obturador é praticamente uma extensão da tubulação sem nada que se oponha ao caminho do fluxo, já na válvula borboleta, mesmo estando totalmente aberta, o disco sempre vai estar no caminho do fluxo causando perda de carga, por esse motivo, dependendo da precisão do controle exigida pelo processo, a válvula esfera pode ser mais adequada do que a borboleta.

As válvulas borboleta também podem ser usadas em temperaturas muito baixas, como por exemplo em criogenia, processo no qual a temperatura pode chegar até -190°C, para essas aplicações, é utilizada uma extensão da haste que mantem as gaxetas e o sistema de operação a uma distância segura do fluido para evitar o congelamento das vedação e das mãos do operador. A haste de acionamento e o disco podem ser integrais formando uma única peça, conhecida também como raquete, ou podem ser peças separadas, a haste de acionamento pode ser uma peça única que ao ser montada passa pelo meio do disco ou podem ser utilizadas duas peças, um eixo superior e um inferior. No caso da haste e o disco serem integrais em uma única peça, o corpo é bipartido para ser realizar a montagem, nos demais casos o corpo é monobloco. Se você gostou desse artigo, achou interessante ou se ele te ajudou de alguma forma, nos de um retorno para que possamos melhorar ainda mais os nossos conteúdos, enviem sugestões de assuntos para elaboração de posts, se tiverem dúvidas, por favor, fiquem a vontade para nos ligar ou nos envie a dúvida por e-mail.



Não se esqueça... A curiosidade é que move o mundo!

Acompanhe o grupo Micro Rio:
www.fb.com/microriovalvulas
www.instagram.com/microriovalves
www.linkedin.com/company/microrio/
www.twitter.com/microriovalves

Conteúdo relacionado: