Enciclopédia do Válvuleiro

Como funciona uma Junta de Expansão?

Sexta Feira - 24 de Maio de 2019

junta expansao

Nas tubulações e projetos hidráulicos, as juntas de expansão estão presentes para melhorar a funcionalidade de um sistema. Elas podem ser fabricadas de vários materiais. Assim, é importante notar que tipo de material está sendo usado e como ela será alinhada com a aplicação que o projeto exige.

Neste artigo nós falaremos de modo geral das juntas de expansão, como elas são usadas, construídas e suas principais características. Além disso, explicaremos como os materiais desse componente podem variar.

Qual o uso das juntas? Antes de tudo, precisamos explicar que alguns fenômenos físicos, como mudança de temperatura, podem contrair ou expandir uma tubulação. Nesse sentido, isso pode contribuir para danos no material e na superfície da tubulação. É aqui que as juntas entram. Se as juntas de expansão forem adequadas, os efeitos dos movimentos de contração e expansão podem ser diminuídos drasticamente. Isso gera uma estabilidade no sistema que a junta está acoplada, evitando danos que podem ser facilmente evitados.

A importância da junta de expansão não está somente na sua aplicação, mas do modo que ela é usada. Elas aumentam a eficiência e segurança de um sistema de tubulações. Portanto, escolher o modelo que mais se encaixa em um projeto é essencial.

Vale destacar que muitas tubulações precisam ficar em uma posição retilínea, o que significa que as juntas de expansão podem ajudar muito na manutenção dessa posição. Ela garante que, ainda que haja contração ou expansão da tubulação, a posição retilínea se manterá. Outra grande vantagem do uso das juntas de expansão é que elas diminuem o impacto externo que as tubulações podem ocasionar pela passagem de fluido.

Ademais, a frequência da troca de tubulações danificadas pelo desgaste fica bem menor quando as juntas estão sendo usadas corretamente em um sistema.

As juntas de expansão podem dividir-se em várias categorias. Cada uma delas é adequada para uma necessidade.

As juntas metálicas são as mais comuns. O material dessas juntas é um aço inox ou carbono. De modo geral, elas aguentam temperaturas e pressões altas no sistema. Essas juntas ainda dividem-se em duas classificações: EJA-S e EJA-F. A primeira é pronta para soldar, serve para amenizar os impactos da passagem de fluido na tubulação e os efeitos da erosão causados pelos materiais; a segunda, por outro lado, é produzida do mesmo material que a primeira, mas elas têm um terminal que pode ser flangeado ou não. Assim, ela torna-se útil para amenizar efeitos de expansão térmica do material da tubulação.

Além das juntas metálicas, temos as juntas de borracha. Elas são compostas por elastômero, e apesar do nome, há aço inox na composição do material. A resistência mecânica dessas juntas é excelente e ela consegue absorver movimentos laterais e os axiais. Sistemas que lidam com eletrólise, por exemplo, devem usar esse tipo de junta.

Por fim, destacamos as juntas não-metálicas. Elas são estruturadas com metal que é revestido por uma camada impermeabilizante e isolante. Grosso modo, elas podem até mesmo auxiliar na redução de perda de energia de um sistema hidráulico.

Juntas de expansão de fibra de vidro, por exemplo, servem para suportar temperaturas maiores que 1000ºC e gases corrosivos.

Apesar de termos inúmeras categorias de juntas de expansão, escolher um tipo delas requer a utilização de importantes critérios de decidibilidade. Se isso não for feito, então a junta de expansão provavelmente não desempenhará sua devida função na tubulação.

Alguns dos critérios para decidir o uso de uma junta de expansão são esses:

Tipo de fluido que está passando na tubulação;
pH do fluido;
Temperatura e pressão de trabalho;
Movimentação que ocorre na tubulação;
Escoamento da tubulação;
Velocidade de vazão;
Tamanho da tubulação;
Variação da dilatação da tubulação.

Avaliando esses critérios, será mais fácil optar por um tipo de junta de expansão. Quem trabalha com tubulações e precisa projetar bons sistemas, essencialmente lidará com a decisão de optar por juntas de expansão. Assim, é valioso que o profissional saiba escolher uma junta que cumpra sua devida função no projeto.

Esperamos ter esclarecido um pouco sobre essa ferramenta incrível que a junta de expansão e suas variações.

Não deixe de compartilhar essa informação.



Não se esqueça... A curiosidade é que move o mundo!

Acompanhe o grupo Micro Rio:
www.fb.com/microriovalvulas
www.instagram.com/microriovalves
www.linkedin.com/company/microrio/
www.twitter.com/microriovalves

Conteúdo relacionado: